Enquete #59 - Ponto de carga zero dos solos

Enquete #60. Os fatores de formação dos solos relacionados com aspectos de manejo

Jeny (1941) considerou os fatores de formação dos solos representados pelo material de origem, clima, organismos relevo e tempo.

Esses fatores de formação podem ser relacionados com vários aspectos de manejo de solos:

Material de origem

O material de origem do solo pode ser a rocha (basalto, arenito, granito, etc.) ou sedimentos recentes (aluviões).

O basalto e o diabásio, por exemplo, originam solos de textura argilosa e muito argilosa; em contraste o arenito origina solos de textura arenosa ou média; solos derivados de calcário e xisto apresentam teores de silte relativamente elevados.

O basalto ou o diabásio originam Neossolos Litólicos, Cambissolos, Nitossolos e até Latossolos com alta saturação por bases (cálcio, magnésio, potássio e sódio) no horizonte B (eutróficos ou eutroférricos), mas o intemperismo intenso dos solos tropicais é responsável pela significativa remoção dessas bases originando até Latossolos acriférricos nas superfícies geomorfológicas mais antigas do Brasil.

Na condição química pedológica, os solos com baixos teores ou nulos de cálcio podem ser distróficos ou ácricos e acriférricos, ou álicos, ou alíticos ou até alumínicos. Em comum os teores de cálcio são baixos em todas essas condições, mas somente nos ácricos e acriférricos os teores de alumínio também são reduzidos ou nulos.

A gessagem é recomendada visando aumentar os níveis de cálcio e reduzir os níveis de alumínio das camadas subsuperficiais dos solos com alta saturação por alumínio.

Clima

A precipitação influi na quantidade de água excedente do perfil de solo, a temperatura está relacionada com as velocidades das reações bioquímicas, dados importantes no grau de intemperismo dos solos.

A água percola no perfil de solo nas direções vertical ou lateral em função do tipo de relevo. O clima muito úmido está associado com a maior remoção dos componentes liberados no intemperismo, ao contrário do clima seco que pode até ter movimento ascendente de nutrientes e sais.

Organismos

A flora (cerrado, cerradão, campo cerrado, floresta), a fauna (cupins, formigas, tatus) e o Homem são agentes formadores do solo por adicionar materiais orgânicos e minerais. A matéria orgânica refere-se aos restos orgânicos (folhas, raízes, caules, frutos) em vários estágios de decomposição iniciando nos tecidos vivos, atingindo o estágio final de cor escura estável, chamado húmus.

Existe estreita relação entre vegetação natural e as condições químicas pedológicas, como exemplos o bacuri, a aroeira, e o Pau D’Alho que se desenvolvem nos solos eutróficos; o cerrado nos solos distróficos e álicos. Nos solos encharcados das várzeas crescem a taboa, e o buriti, entre outras plantas.

O Homem interfere adicionando materiais cerâmicos indígenas no solo (horizonte A antrópico), drenando solos tiomórficos acidificando intensa e irreversivelmente o meio; derrubando as matas alterando o microclima.

Tempo

A medida que o intemperismo evolui são removidos, principalmente, cátions básicos e sílica do sistema.

Os solos mais jovens não tiveram tempo de atingir o clímax das características morfológicas (Neossolos Litólicos, Neossolos Regolíticos, Cambissolos), ao contrário dos solos muito mais antigos (Latossolos). A medida que o intemperismo evolui diminuem os valores de capacidade de troca de cátions (CTC).

Na classe dos Latossolos, existe a possibilidade de atingir o grau máximo de intemperismo com a predominância de cargas elétricas positivas em relação as negativas, especialmente nos ácricos e acriférricos devido a alta taxa de lixiviação de bases.

Portanto, existe grande relação entre idade do solo com o grau de intemperismo e com o balanço de cargas elétricas.

Relevo

O relevo da paisagem está associado com o clima pela diferença de energia adicionada ao solo nas contrastantes faces norte, sul, leste e oeste da paisagem. O relevo condiciona também as condições de drenagem interna dos solos, nos solos bem drenados desenvolvidos do mesmo material de origem, o grau de intemperismo é maior nos locais com melhor drenagem porque os produtos são removidos ocorrendo a maior dessilicatização com a formação deminerias do grupo1:1 e/ou óxidos de ferro e alumínio.

Tipos de solos em função do relevo
Figura 1. Tipos de solos em função do relevo.
    Legenda
  • CX – Cambissolo Háplico
  • CY – Cambissolo Flúvico
  • G – Gleissolo
  • L – Latossolo
  • N – Nitossolo
  • P - Argissolo
  • RL – Neossolo Litólico
  • RQ – Neossolo Quartzarênico

Os cuidados com a conservação do solo devem ser muito maiores nos locais mais declivosos.

Escolha a alternativa incorreta:

Respostas: Alternativa 4

Alternativa Votos (%)
1) Os Latossolos podem ocorrer no relevo ondulado. 17,5
2) Não se recomenda gessagem como fonte de cálcio nos solos desenvolvidos de calcário. 16,6
3) Os solos pouco evoluídos pedologicamente possuem maior CTC e/ou tiveram menor tempo de intemperização. 19,5
4) O basalto, rocha muito rica em bases (cálcio, magnésio, potássio e sódio), nunca poderá originar o Latossolo, com reduzidos ou quase nulos teores de cálcio, magnésio, potássio e sódio (ácriférrico, por exemplo). 15,3
5) Todas alternativas incorretas. 15,5
6) Todas alternativas corretas. 15,6
Total de votos 595

Enquetes anteriores

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 

41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 

61 62 63 64 65 

Apoio:

IPNI Jornal da Cana The International Union of Soil Sciences Natural Resources Management and Environment Departament ISRIC - World Soil Information