As cores dos solos na tabela Munsell

A tabela MUNSELL considera o matiz, o valor e o croma.

Os matizes mais comuns dos solos referem-se a contribuição do amarelo (Y, yellow) e do vermelho (R, red).

A figura 1 mostra que o matiz 7,5 YR tem a contribuição da cor amarela de 62,5%, e a contribuição da cor vermelha de 37,5%.

Figura 1. Proporções de cores amarela e vermelha nos matizes de 5R até 5Y.
Figura 1. Proporções de cores amarela e vermelha nos matizes de 5R até 5Y.

O valor está relacionado com as proporções da cor cinza, que é a mistura da cor branca (W, white) com a cor preta (B, black).

Por outro lado, o croma indica o grau relativo de saturação das cores vermelha, amarela, branca e preta.

Exemplo de uma cor do solo: 7,5YR 4/2

Para o fabricante de cores da tabela Munsell ter exatamente a coloração 7,5YR 4/2, teve que misturar tintas de cores vermelha, amarela, preta e branca, na seguinte proporção:

  • Para cada 20 litros de tinta, 2 litros do matiz 7,5YR e 18 litros da cor cinza.
  • No matiz 7,5YR, a porcentagem de 62,5% significa 1,25 litros de tinta amarela; a porcentagem de 37,5% significa 0,75 litros de tinta vermelha, em 2 litros de tinta.
  • Na cor cinza representada pelo valor, a contribuição da cor branca é de 40% e da cor preta 60%.
  • Em relação aos 18 litros de cinza, enquanto a porcentagem de 40% significa 7,2 litros da tinta branca; a porcentagem de 60% significa 10,8 litros de tinta preta.
  • Finalmente, a mistura de 1,25 litros de tinta da cor amarela com 0,75 litros de vermelho; com 7,2 litros da cor banca e 10,8 litros da cor preta, resulta exatamente na coloração MUNSELL de 7,5 YR 4/2.

Enquete #75. Colheita da cana-de-açúcar

Nos diversos tipos de manejo, a época de colheita da cana-de-açúcar (início, meio e final de safra) e a condição química pedológica (eutrófico, mesotrófico, distrófico, e ácrico) influem muito na produtividade atingida.

Isso ocorre porque a deficiência hídrica é mínima no início de safra, mais alta no meio de safra e máxima no final de safra, o que é mostrado na direção horizontal do quadro abaixo, do início ao final de safra, a queda de produtividade de 15% nos solos eutróficos, aumentando para 30% nos solos ácricos.

As produtividades são superiores na seguinte ordem química do horizonte B dos solos: eutróficos > mesotróficos > distróficos > ácricos. As quedas de produtividades em função das citadas condições químicas estão diretamente relacionadas com a capacidade de água disponível (CAD) que depende do aprofundamento radicular, que é máximo nos solos eutróficos, seguido dos mesotróficos, distróficos, e mínima nos ácricos.

Portanto, o fator água é decisivo nas direções horizontal e vertical desse quadro.

Participe...

Solos semelhantes, características diferenciais e aspectos de manejo

Alguns solos no campo apresentam certas semelhanças, mas precisam ser diferenciados porque diferem nos aspectos de manejo.

As possíveis semelhanças ocorrem em relação a coloração, estrutura, consistência e profundidade.

As figuras 1 a 4 destacam os solos que mostram algumas semelhanças no campo, mas que na realidade são diferentes.

Figura 1. Latossolo Vermelho (Foto: Hélio do Prado) e Nitossolo Vermelho (Foto: Thiago A.B. do Prado), ambos típicos textura muito argilosa A moderado.
Figura 1. Latossolo Vermelho (Foto: Hélio do Prado) e Nitossolo Vermelho (Foto: Thiago A.B. do Prado), ambos típicos textura muito argilosa A moderado.

Características diferenciais

Latossolo- horizonte B com estrutura subangular fraca e consistência muito friável, ausência de cerosidade.
Nitossolo- horizonte B com estrutura prismática que se rompe em blocos subangular forte, cerosidade forte e abundante.

Continue lendo...

Solo-paisagem

Veja o vídeo destacando a relação solo-paisagem de: Latossolo Vermelho, Nitossolo Vermelho e Neossolo Litólico.

Esse conhecimento é muito importante nos estudos de gênese e levantamento de solos.

História da Pedologia

Em 1877 Dokouchaiev, pioneiramente, estudou os solos da Rússia considerando a distinta existência dos horizontes desde a superfície até a atingir rocha, estabelecendo assim a base da Pedologia, considerando além da diferenciação morfológica vertical do solo, seus constituintes, sua gênese. Essa ciência, relativamente recente, contribui para o desenvolvimento de uma nação porque informa as características dos solos, que são indispensáveis para o racional planejamento do uso das terras na agronomia, geologia, geografia, geomorfologia, biologia e na ecologia.

Indicações Pedológicas

Diversas classificações!

A Pedologia é uma ciência que possui uma lógica de abordagem que pode ser facilmente compreendida. Podemos identificar um solo como identificamos uma música, em uma canção não precisamos ouví-la inteira. No solo isto pode acontecer, não precisamos examinar diretamente todas as características morfológicas para classificá-lo.

Para detalhar este solo é fundamental o conhecimento das condições químicas, físicas e mineralógicas. A hierarquia da classificação de solos no Sistema Brasileiro consta na figura 1 e no Sistema Americano na figura 2.

Hierarquia do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos.

Figura 2. Hierarquia do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos.

As cores citadas na sub ordem adjetivam de vermelho, vermelho-amarelo e amarelo os Latossolos e Argissolos, e de vermelho parte dos Nitossolos. As interpretações químicas pedológicas no nível de grande grupo podem ser examinadas, em detalhe, na enquete 27.

Para maiores detalhes sobre cor de solos no nível de subordem consultar a enquete 44.

Figura 2. Hierarquia do Sistema Americano de Classificação de Solos.

Figura 2. Hierarquia do Sistema Americano de Classificação de Solos.

Apoio:

IPNI Jornal da Cana The International Union of Soil Sciences Natural Resources Management and Environment Departament ISRIC - World Soil Information